No Brasil, safra de grãos atinge recorde, mas sem ter onde armazenar

Publicado por

Segundo a estimativa de maio da Conab, a safra brasileira de grãos de 2018 superará novamente as projeções iniciais.


A previsão atual é de mais de 232 milhões de toneladas, sendo que os maiores volumes serão de soja e de milho. A estimativa para a área plantada, que antes era de 61,5 milhões de hectares, cresceu 1,1% em relação ao ano passado. No entanto, os produtores comemoram a colheita, mas também se preocupam com a armazenagem adequada dos grãos. Atualmente, o déficit de armazenagem já bate a casa de 80 milhões de toneladas, o que aponta que o Brasil não tem onde guardar mais de 1/3 da produção agrícola. Isso representa para o país a perda de mais de 2 bilhões de reais por ano no mercado de grãos.⠀
Num levantamento feito pela Kepler Weber, é possível perceber que os fatores que colaboram para esse cenário brasileiro são os seguintes:⠀
A baixa capacidade de armazenagem nas propriedades rurais força o produtor a comercializar e escoar suas safras na época de preços mais baixos e de fretes mais caros;⠀
No Brasil, as fazendas possuem apenas 16% da capacidade de armazenagem, o que sobrecarrega o transporte e a armazenagem intermediária em épocas de colheita, além de elevar a demanda de estocagem nos portos.⠀
O resultado disso é que na época das colheitas dos grãos, os preços pagos aos produtores sofrem um achatamento acentuado, decorrente da alta dos valores dos fretes, das filas de caminhões nas rodovias e da demora prolongada para embarques nos portos. Além disso, armazenar a safra em terceiros tem custos, que variam entre 9% e 12% do valor do total estocado.⠀
“O problema do Brasil em relação às perdas de grãos ainda é recorrente porque os investimentos em logística no setor não são realizados de forma correta. E investir em logística significa abranger toda a cadeia produtiva em diferentes situações: varejo, atacado, armazenagem e atividades portuárias e ferroviárias”, afirma Anastácio Fernandes Filho, diretor presidente da Kepler Weber.


Fonte: Kepler Weber⠀

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s